16 de setembro de 2017 Artist Image

Acústico – 1992

  • Odilê Odilá - Zona de Fronteira

    Autores: Martinho da Vila & João Bosco

    Odilê, odilá
    O que vem fazer aqui meu irmão
    Vim sambar
    Ô di lê, ô di lá
    Que vem fazer aqui meu irmão
    Vim sambar, obá
    Entra na corrente
    Corpo, mente
    Coração, pulmão
    Pra junto com a gente viajar
    Na energia-som
    Que veio de longe atravessou raio e trovão
    Pra cair no samba e receber a vibração
    Odilê, odilá...
    Com a negrada do Harlem Jesus Cristo
    Também vem
    E pra sair do transe só com sino de Belém
    Que faz romaria e procissão, samba também
    E quem ta comigo, ta com o povo do além
    Odilê, odilá...
    Quem samba, se sobe tem combá tem furufim
    Teve um olho d´água
    E um sorrido de marfim
    Se volta beijada é pigmeu ou curumim
    Vira um preto velho pra sambar com a gente assim
    Odilê, odilá...
    Preta velha bate pé, bate colhe levanta pó
    Dá marafo pro Odilê e solta logo seu gogó
    Odilá de madrugada nem sem viola ta só
    Pois ta com axá da velha nega preta sua vó
    Odilê, odilá...

  • Holofotes

    Autores: João Bosco, Antônio Cícero & Waly Salomão

    Dias sem carinho
    Só que não me desespero:
    Rango alumínio
    Ar, pedra, carvão e ferro.
    Eu lhe ofereço
    Essas coisas que enumero:
    Quando fantasio
    É quando sou mais sincero
    Desde o fim da nossa história
    Eu já segui navios
    Aviões e holofotes
    Pela noite afora.
    Me fissurarm tantos signos
    E selvas, portos, places,
    Línguas, sexos, olhos
    De amazonas que inventei.
    Eis a Babilônia, amor,
    E eis Babel aqui:
    Algo da insônia
    Do seu sonho antigo em mim.
    Eis aqui
    O meu presente
    De navios
    E aviões
    Holofotes
    Noites afora
    E fissuras
    E invenções:
    Tudo isso
    É pra queimar-se
    Combustível
    Pra se gastar
    O carvão
    O desespero
    O alumínio
    E o coração

  • Papel Marchê

    Autores: João Bosco & Capinam

    Cores do mar
    Festa do sol

    Vida é fazer
    Todo sonho brilhar
    Ser feliz

    No teu colo dormir
    E depois acordar
    Sendo seu colorido brinquedo de papel marche

    Dormir no teu colo
    É tornar a nascer
    Violeta e azul

    Outro ser
    Luz do querer

    Não vai desbotar
    Lilás cor do mar
    Seda cor de batom
    Arco-íris crepom
    Nada vai desbotar
    Brinquedo de papel marché.

  • Granito - Jade

    Autores: João Bosco

    Aqui meu irmão
    Ela é coisa rara de ver
    É jóia do Xá
    Retina de um mar
    De olhar verde já derramante
    - Abriu-se Sézamo em mim!
    Ah, meu irmão
    Áqualouca tara que tem imã
    Mergulha no ar
    Me arrasta, me atrai
    Pro fundo do oceano que dá
    Pra lá de Babá
    Pra cá de Ali...
    Pedra que lasca seu brilho
    E queima no lábio
    Um quilate de mel
    E que deixa na boca melante
    Um gosto de língua no céu
    Luz, talismã
    Misterioso Cubanacã
    Delicia sensual de Maça
    Saborosa Manhã...
    Vou te eleger
    Vou me despejar de prazer
    Essa noite o que mais quero é ser
    Mil e um pra você.

  • Quilombo - Tiro de Misericórdia - Escadas da Penha

    Autores: João Bosco & Aldir Blanc

    Cama arruma a cama arruma a cama
    Cama arruma a cama arruma a cama
    Cana apanha a cana apanha a cana
    Cana apanha a cana apanha a cana
    Trama arruma a trama arruma a trama
    Trama arruma a trama arruma a trama
    Tranca arromba a tranca arromba a tranca
    Tranca arromba a tranca arromba a tranca
    Zanga atiça a zanga atiça a zanga
    Zanga atiça a zanga atiça a zanga
    Fogo ateia o fogo ateia o fogo
    Fogo ateia o fogo ateia o fogo
    Ponta afia a ponta afia a ponta
    Ponta afia a ponta afia a ponta
    Canto apruma o canto apruma o canto
    Canto apruma o canto apruma o canto.
    os soldados vem buscá
    os esclavo do sinhô
    é preciso se cuidá
    cum ataque do invasor
    garra prá lutá
    fossa pá cavá
    lenha pá acendê
    ramo pá cortá
    fio pá tecê
    arco pá fazê
    pedra pá jogá
    faca pá amolá
    água pá fervê
    vamos disfarçar vamos preparar vamos devolver
    eh camacana eh camacana eh camacana eh
    eh tramatranca eh tramatranca eh tramatranca eh
    eh zangafogo eh zangafogo eh zangafogo eh
    eh pontacanto eh pontacanto eh pontacanto eh

  • Memória da Pele

    Autores: João Bosco & Waly Salomão

    Eu já esqueci você tento crer
    seu nome sua cara seu jeito seu odor
    sua casa sua cama seu suor
    Eu pertenço à raça da pedra dura
    Quando enfim juro que esqueci
    quem se lembra de você em mim em mim
    não sou eu, sofro e sei
    não sou eu, finjo que não sei, não sou eu
    Sonho bocas que murmuram
    tranço em pernas que procuram, enfim...
    Não sou eu, sofro e sei
    Quem se lembra de você em mim, eu sei...
    Bate é na memória da minha pele
    Bate é no sangue que bombeia na minha veia
    Bate é no champagne que borbulhava na sua taça
    e que borbulha agora na taça da minha cabeça
    Eu já esqueci você, tento crer
    nesses lábios que meus lábios sugam de prazer
    sugo sempre, busco sempre a sonhar em vão
    cor vermelha sua boca
    coração.

  • E Então Que Quereis - Corsário

    Autores: João Bosco

    Fiz ranger as folhas de jornal
    Abrindo-lhes as pálpebras piscantes.
    E logo
    De cada fronteira distante
    Subiu um cheiro de pólvora
    Perseguindo-me até em casa.
    Nestes últimos vinte anos
    Nada de novo há
    No rugir das tempestades
    Não estamos alegres,
    É certo,
    Mas também por que razão
    Haveríamos de ficar tristes?
    O mar da história
    É agitado.
    As ameaças
    E as guerras
    Havemos de atravessá-las.
    Rompê-las ao meio,
    Cortando-as
    Como uma quilha corta
    As ondas.

  • Eleanor Rigby - Fita Amarela - Trem Bala

    Autores: João Bosco, Antônio Cícero & Waly Salomão

    Dispara um trem bala veloz feito luzes
    e integra a estação razão à intuição
    Por meio do teu nome ausente em mim reluzes
    enquanto um garotinho empurra seu limão
    A blitz ali na frente diz que aqui a onda
    tá mais pro Haiti do que pro Havaí
    Se as coisas nos reduzem simplesmente a nada
    de nada simplesmente temos que partir
    Que fazer agora?
    Dispara o trem bala veloz feito luzes
    Uma criança chora?
    De nada simplesmente temos que partir
    Produzir vibrações rotações girassóis
    danças saltos gravitações
    Inventar novas metas e setas que vão
    disparar novos corações
    O céu está nublado?
    As nuvens serão tela para o filme que se quer projetar
    nas nuvens.

Share on:
Trem Bala Agnus Sei Por Um Sorriso Dois pra lá Dois pra cá Incompatibilidade de Genios Genesis (Parto) Falso Brilhante Linha de Passe Tal mãe, Tal filha Angra Profissionalismo é isso ai Escadas da Penha Bate um Balaio ou Rockson do Pandeiro Cabaré Coisa Feita Malabaristas do Sinal Vermelho Siri Recheado e o Cacete Tristeza de uma embolada Amar, Amar Quilombo Si Si No No Ditodos O Mestre-sala dos Mares As Minas do Mar Granito Desnortes Holofotes Indeciso Coração Querido Diário Forró em Limoeiro Se Você Jurar Calango Rosa Papel Machê Pixinguinha 10x0 Beirando a Rumba Kid Cavaquinho Perversa Mama Palavra Cinema Cidade Incompatibilidade de Gênios Bala com Bala - Edu Lobo Pronto pra próxima